Gravações - Repertório

As obras abaixo estão prontas e disponíveis para apresentações, concertos e recitais.


Nem todas as gravações foram atualizadas, portanto, algumas obras já possuem uma interpretação mais apurada.






Maiores informações, no Link Repertório e Downloads/Gravações

terça-feira, 12 de abril de 2011

A era Digital

Pois bem, neste post falei sobre meu primeiro piano, agora dando continuidade a este Post, irei falar sobre os próximos pianos que vim a ter.

Na realidade eu sempre quis ter um piano acústico de melhor qualidade, até mesmo um Fritz Dobbert já estava de bom tamanho, mesmo sendo um piano Brasileiro, ele é bem acabado e tem uma boa mecânica. Apenas não gosto muito da sua sonoridade, que muitas vezes é aberta e brilhante demais, com um destaque muito grande nos "médios e agudos", deixando um som estridente demais em gravações (mesmo ocasionais).


Bom, um piano acústico novo estava simplesmente fora de cogitação, pelos motivos listados abaixo:


  • 1 - Necessita de afinação e manutenção constante
  • 2 - Pesado demais pra transporte
  • 3 - Cupins (peguei trauma)
  • 4 - Não pode utilizar em determinados horários


Devido a estes fatores, resolvi correr atrás de um piano digital.


Roland A-90


Tive a experiência de tocar em um Roland A-90, instrumento este, que não podemos chamar diretamente de "piano digital", pois ele não foi consebido para ser apenas um piano, mas sim um teclado com algumas funções de sintetizador. Basicamente ele era um instrumento com 4 canais MIDI que possibilitava a edição do som e criação/mistura de som, podendo gerar timbres muito realistas, tendo um teclado sólido, com 88 teclas pesadas de piano.


O timbre de piano que tive a oportunidade de testar era magnífico, o que me fez pensar que talvez seria uma boa idéia a compra de um piano digital.



Fui atrás de um Roland A-90 para aquisição, mas estava difícil encontra-lo, sem falar que, quando achava custava na faixa dos 6000 reais, sendo que ainda haveria a necessidade de comprar amplificador e caixas de som de qualidade e um cavalete para apoia-lo por tratar-se de um piano sintetizador, voltado para uso em estúdios, bandas e etc.

As especificações dele eram muito boas, na realidade ainda são ótimas, mesmo para os padrões atuais, com um piano destes você está bem servido, principalmente pela capacidade que ele possui de modificar sons e poder carregar amostras novas.


Fênix PDP-200

Após desistir da compra de um A-90 vi em uma loja aqui da cidade um Fênix PDP-200, parecido (apenas esteticamente) a alguns modelos de pianos digitais portáteis da Yamaha, bem como lembrava um Prívia da Cassio.

Fênix PDP-200

Fui a loja e experimentei-o por alguns minutos. Tocando músicas mais simples ele me agradou, e acabei comprando-o, por 1300 reais.

Seguem as especificações (aproximadas)


  • Teclado Grand Hammer
  • Três níveis de sensibilidade
  • Saída e entrada MIDI, Line Out e saída para Phone
  • 64 vozes de polifonia


Não acompanhava banco e nem pedal, acabei comprando um pedal comum para ele, já que ele não possui suporte a ajustes de pedal e DDE (como por exemplo, utilizar a região "entre pedal" que te da um som "não tão suspenso" como com o pedal totalmente pressionado, em algumas obras de Beethoven isso pode ser muito interessante).

Com o tempo me decepcionei com o piano. Na realidade eu posso contar nos dedos as vezes que utilizei ele para estudo (talvez umas 4 ou 5 vezes, a noite, com fones), pois a sensibilidade dele não era la estas coisas (falhava bastante), e o timbre não era muito convincente.

Outro problema que encontrei com ele foi a mecânica interna. O sistema Grand Hammer, para quem não sabe, tenta imitar o efeito dos martelos em um piano de cordas. Quando você aperta uma tecla em um piano, consegue sentir a ação do martelo (êmbolo subindo e empurrando o martelo, que posteriormente retorna), o Grand Hammer do PDP-200 fazia perfeitamente isto, porém, era frágil demais. Todo construído em plástico bem vagabundo, com pequenas chapas de metal para fazer a "vez" de martelo, ele era frágil demais, e com o tempo dava defeito.

Mandei consertar este piano duas vezes, sendo que utilizava ele, em média, 1 vez por semana apenas.

Fênix TG8880, imitação dos Clavinova
Porém, o piano era razoável para seu preço. Creio que ele foi muito bom para mercado, na epoca que o comprei (por volta de 2005) os pianos digitais mais baratos (da Cassio) custavam na faixa dos 3000 reais. Talvez a entrada da Fênix neste mercado tenha sido boa, pois eles comercializaram pianos concorrentes das linhas Clavinova da Yamaha (com o mesmo formato e apresentação) por preços ligeiramente mais baixos. É claro que a qualidade também era ligeiramente inferior, mas desde quando chegam produtos chineses de qualidade ao mercado Brasileiro?

Logo, as concorrentes precisaram dar uma resposta a altura, nisto presenciamos uma queda vertiginosa nos preços de pianos da Yamaha e Cassio. Hoje, você compra um Cassio Privia PX-130 por menos de 2000 reais, sendo que um Fênix PDP-300, custa em média 1800 reais (concorrente "direto"). Não preciso nem comentar que o Cássio simplesmente esmaga, em qualidade, o Fênix, devido aos sons sampleados e demais características, principalmente no que se refere a acabamento e qualidade de materiais.


Yamaha Clavinova CLP-230

Assim, com um piano cheio de cupins, precisando de reforma, e um piano digital meia boca, resolvi novamente ir em busca de um piano para substituir o acústico, mas desta vez pegaria algo que seria minimamente decente.

Fui em busca do clássico Yamaha Clavinova.
Clavinova CLP-230
Em Porto Alegre, fui a uma loja onde possuíam no mostruário vários pianos digitais da Yamaha e da Roland.
Testei cada um deles, fiquei mais de 1 hora por la.

É claro que me apaixonei pelo modelo topo de linha da Yamaha, e um Roland (o qual não faço idéia do modelo), mas meu dinheiro não alcançaria tal compra.

Acabei optando pelo CLP-230, mas efetuei a compra em uma loja aqui da minha cidade, sob encomenda.
Na época, ele me custou 3800 reais, e foram muito bem pagos (na realidade, investidos).


Algumas características:


  • Teclado Grand Hammer 3
  • Sintetizador AWM Sampling da Yamaha
  • Saída e entrada MIDI, interface USB com PC, entrada AUX, Saída AUX/Line, duas saídas para Phone
  • 64 vozes de polifonia
  • Configurais pré-programadas de afinação e timbres
  • Suporte a ajustes de pedal


Lembro-me de ter visto meses antes um Prívia da Casio numa Multisom, em Novo Hamburgo. Testei ele um pouco e gostei, mas quando fui realmente atrás de um piano, procurei por tudo quanto é lugar e não encontrei estes pianos para testar e comparar com os Clavinova.

Não tive nenhum arrependimento (ainda) com este piano, tenho ele a aproximadamente 3 anos, e por enquanto não me deu nenhum problema.

Algumas ressalvas:

Não ache que um piano digital terá a mesma resposta que um acústico. Mesmo um modelo topo de linha tem seus limites, principalmente no quesito mecânico/expressividade. Num piano acústico, quanto mais forte você pressionar uma tecla, mais forte será o som resultante. O som somente vai parar de crescer no momento que você arrebentar uma das três coisas a seguir: A corda, o martelo ou seu dedo/mão.

Como o piano digital é criado com recursos "sintetizados"/sampleados, ele é concebido para atender algumas exigências e características, logo, ele tem seus limites, mas, novamente faço a ressalva de que muitas vezes é melhor ter um bom piano digital do que um piano acústico meia boca.

Afinação:

Piano digital não desafina. Isto é fato. Mas, preciso destacar isto, pois já levei um banho do meu piano neste quesito.


O Clavinova possui configurações de 7 tipos de afinação.

SIM, existem mais formas de afinar seu piano, que não apenas, o formato "temperado" que estamos acostumados a utilizar.

Seguem abaixo, as configurações de afinação disponíveis:

1 - Equal Temperament
2 - Pure Major
3 - Pure Minor
4 - Pythagorean
5 - Mean Tone
6 - Werckmeister
7 - Kirnsberger
Portanto, cuidado ao fuçar pelas funções do piano, pois eu fiquei alguns dias achando que estava louco ao parecer que o piano estava desafinado, e na realidade, ele estava apenas no modo "Pure Minor", onde uma 5ª maior pode parecer "desafinada" ao ouvido de quem está acostumado com a afinação temperada.

14 comentários:

  1. Olá, você sbe algo sobre a qualidade dos pianos acústicos Schumann fabricados na Asia ?

    ResponderExcluir
  2. Bom dia. Infelizmente não conheço a marca. Na realidade, conheço apenas de ouvir falar.. Sei que quando novos tem uma boa resposta, e uma sonoridade razoável, mas não posso dizer mais muita coisa..

    O ideal, seria você ir a uma loja e testar o instrumento. Se ele te agradar, já é um bom começo. Mas realmente, comprar um instrumento de marca desconhecida sempre acaba sendo uma loteria, pois não sabemos muito do processo de fabricação e principalmente do tratamento e qualidade da madeira.

    Mas possivelmente ele deve ser do mesmo nível dos Fritz Dobbert, fabricados por aqui, que ao meu ver é um bom piano (são um ótimo custo x benefício).

    ResponderExcluir
  3. Olá Josias. Estou pensando em iniciar aulas de piano e gostaria de pedir uma opinião. Por enquanto, tanto os pianos convencionais quanto os digitais estão fora de alcance em termos econômicos e portanto gostaria de saber se um teclado de 5 oitavas seria suficiente para quem está começando do "zero". Talvez eu ainda possa adquirir um de 7 oitavas mais acessível, ou, no máximo, um piano digital Fenix Pdp 300 usado, mas o mais acessível para mim no momento seria um teclado de 5 oitavas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Otávio, obrigado pelo post!

      Quanto você possuí disponível para esta compra?

      Vamos aos números:

      Teclados de 7 oitavas variam de 400 a 800 reais, de marca "duvidosa", ou modelos bem simples da Yamaha.

      Um Fênix PDP300, está na faixa dos 1200 reais e um Prívia novo varia de 1900 a 2000 reais, sendo que pode achar usado por bem menos.

      Temos que levar em conta que o momento não é o ideal para este tipo de aquisição devido a alta do Dolar também.

      O que eu te digo: O Fênix possivelmente não vale a pena. Salvo se a fabricante tiver mudado a mecânica interna e a qualidade das peças. Como falei no artigo, são feitos de um plástico vagabundo, que acaba por estressar facilmente gerando transtornos, além de a parte amadeirada ser feita de compensado (sequer é MDF).

      Temos que tomar um certo cuidado, normalmente tendemos a acreditar que o iniciando pode ficar com "qualquer coisa", mas aí que mora o perigo.

      Você estudar piano num teclado é problemático por duas questões:

      1 - Peso das teclas
      2 - Sensibilidade

      Dificilmente um teclado que custe menos de 2000 reais terá uma sensibilidade fiel. E sem peso das teclas, você levará muito mais tempo para desenvolver técnica, o que pode tornar o estudo, ao longo do tempo, frustrante.

      O que posso dizer é o seguinte. Pegue o modelo do Fênix, uma lista telefônica e ligue para todas as assistências técnicas que trabalham com teclados e pianos, e verifique a incidência de problemas deste modelo. Se a Fênix melhorou este modelo, eles vão te dizer (normalmente).

      Caso contrário, compre um teclado, e prepare-se para comprar um bom piano dentro de 6 meses a no máximo 1 ano. Talvez esta até seja a "melhor saída", pois no fim, o Fênix também será bem limitado, eu tive um PDP200, e ele não dava conta de peças relativamente simples como a Grande Valse Brilhante de Chopin. É claro que, normalmente, um estudante leva entre 3 a 5 anos para chegar neste tipo de repertório, o que daria um bom tempo para uma nova aquisição. Porém, precisa colocar o desgaste do produto e suas manutenções na ponta do papel.

      Quando meu PDP200 foi para manutenção, me "sugou" 250 reais. Se eu tivesse ficado mais um tempo, com certeza teria que mandar consertar novamente, e la se iam mais 250 reais. No fim, apenas o gasto de manutenção daria a diferença de um Cásio Privia.

      Excluir
  4. Obrigado pelas dicas! O Fenix PDP300 que mencionei estava anunciado exatamente pelo valor que você falou! Numa pesquisa posterior, inclusive, achei um Tg8815 usado também pelo mesmo valor. Eu estava almejando esta faixa de preço para poder comprar à vista. Entretanto, diante dos seus argumentos, creio que um Privia seja um investimento mais garantido. Encontrei um modelo PX-130BK numa loja aqui da cidade por 2000 reais e uns quebrados. Neste caso, posso dar uma boa entrada e parcelar o restante em poucas parcelas sem juros, ou aguardar um pouco mais para comprar à vista com desconto. Parece um bom negócio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz por ter optado pelo Prívia. Conheço quem possui um e nunca vi reclamações, é um dos melhores pianos de entrada de linha presente no mercado hoje, e com a vantagem de ter assistência técnica e peças de reposição em solo nacional.

      Depois de compra-lo, volte aqui para dizer o que achou do piano, se assim quiser até posso publicar suas impressões dele em algum outro post!

      Bons estudos e boa compra!

      Excluir
  5. Aproveitando, gostaria de parabenizá-lo pela inciativa do blog, utilizando-o para compartilhar seus conhecimentos, experiência e interpretações. Suas publicações foram um incentivo extra para a decisão de iniciar meus estudos. Também estou concluindo o curso de Engenharia Elétrica e por várias vezes me perguntei até onde conseguiria chegar tendo o piano apenas como hobby, mas ao ouvir suas gravações encontrei a resposta. Com dedicação podemos alcançar muito mais do que imaginamos. Evidentemente a esta altura da vida em que nos encontramos, nossas preocupações, ocupações e deveres já não permitem uma dedicação tão assídua. Entretanto, embora não tenha tido a oportunidade de estudar música quando mais novo, ainda terei muito tempo para praticar, e quem sabe um dia, chegar a este nível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas palavras Otávio!

      A um ano e meio atrás eu também estava nessa, e após ler o livro "Saga das Mãos" de João Carlos Martins percebi que eu não tinha motivo algum para desistir e largar a música de lado. Devemos fazer o possível, o que está ao nosso alcance, mas nunca fazer "de menos". Agente sempre consegue muito mais do que achamos que conseguimos.

      Alguém que também me serviu de inspiração foi minha atual orientadora, a Jeanine Mundstock (google por ela, tem uma entrevista com ela por aí, em áudio). Mestra em práticas interpretativas, também é formada em Engenharia Eletrônica, o que mostra que com força de vontade e organização, é possível unir as duas coisas.

      E faço minhas, as palavras da Jeanine: "A música é como uma cachacinha, quando você começa a tomar dela, você não para mais!"


      Um forte abraço, bons estudos e muita perseverança!

      Excluir
  6. Olá, JOsias, não sei se pode me ajudar. Eu tenho um Fenix há mais ou menos uns sete, oito anos, claro, tocando lá de vez em quando, talvez umas duas vezes por ano. Ocorre que ele estragou, não toca mais, e gostaria de saber onde posso consertá-lo. Pode me ajudar? Abraços, Michéli.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Micheli, segue o SAC no site oficial da Marca no Brasil:

      http://www.habro.com.br/sites/fenix/sac.asp


      Felizmente eles já possuem representação aqui, o que significa que também possuem assistência técnica autorizada.

      Você pode encontrar a assistência mais perto de você através do site deles que passei. Normalmente as assistências autorizadas são mais caras também, mas devem resolver o teu problema.

      Não sei de onde você é, então fica um pouco mais complicado poder ajudar mais.

      Abraços,
      Josias

      Excluir
  7. Olá, Josias.
    Gsotei de ter visitado o teu Blog. As informações foram ótimas já que tenho um piano Fritz Dobbert, porém, não gosto da sonoridade dele, mas tenho tocado em outros da mesma marca, e a sonoridade é outra, deve ser por causa do modelo, não é? É armário e foi comprado na casa Bethoven no Rio de Janeiro há uns 7 anos. Essa marca, Prívia, eu nunca tinha ouvido falar. Gsotei de saber que a marca Fenix não é de qualidade. Foi muito bem falar com gente esclardecida como v. Abraços. Vou postar como "anônimo" mas o meu nome é Maria Souza.

    ResponderExcluir
  8. Quero aprender piano, sabe se esse modelo é bom: http://www.walmart.com.br/produto/Instrumentos-musicais/Piano-Digital/Casio/368462-Piano-Digital-Casio-Stand
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde! Gostaria de comprar um piano para minha filha de 9 anos. Vi esse Piano Elétrico Casio Celviano AP-250 7 Oitavas USB Fone Pedais Carvalho.
    O que vc acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os pianos Celviano e Prívia possuem um ótimo custo x benefício. Será um piano para muitos e muitos anos de estudo, acredito ser uma ótima escolha.

      Excluir